maio 19, 2024 18:52

Coronavírus: Projetos de lei serão votados à distância em aplicativos, diz Maia

spot_img

Brasília- Após reunião com líderes na tarde desta terça-feira, 17, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que a partir da próxima semana, os projetos serão votados por aplicativo, que será desenvolvido pela Diretoria de Inovação e Tecnologia da Informação da Câmara.

“A  secretaria-geral está organizando junto com a assessoria de tecnologia para que a gente possa ter um equipamento que garanta a participação de todos os deputados nos processos de votação, preferencialmente naquelas matérias ligadas aos impactos do coronavírus”, afirmou.

Segundo Maia, uma base formada pela mesa diretora será mantida permanentemente em Brasília, “para que estes possam coordenar os trabalhos e garantir a discussão das matérias para quando elas estiverem prontas a voto, a gente possa ter mais celeridade na sua votação”.

Questionado sobre como se daria o quórum para as votações, Maia respondeu que será por meio do aplicativo, que fica pronto até a próxima segunda-feira, 23. Ele disse também, que assim como os parlamentares com idade acima dos 65 anos, a partir da próxima semana também serão dispensados os parlamentos com idade a partir dos 60 anos.

“O quórum vai sendo reduzido, então é importante que nesse momento onde a circulação das pessoas vai ser reduzida, no meu ponto de vista já deveria ter sido reduzida, a gente vai tendo dificuldade de garantir um quórum de 257 aqui”, afirmou.

Segundo Maia, mantendo a  maioria da mesa diretora e  os líderes dos partido presentes na Câmara, será possível manter a casa funcionando e trabalhar em conjunto com o Ministério da Saúde e o Ministério da Economia para aprovar os projetos colocados em discussão.

Durante entrevista coletiva no Salão Verde da Câmara, Maia também fez críticas ao Presidente Jair Bolsonaro, pela demora em adotar medidas em meio a pandemia do coronavírus. Segundo o deputado, o governo já deveria ter fechado as fronteiras do país, seguindo o exemplo de outros países, e restringir voos internacionais.

“Acho que o governo já deveria ter fechado as fronteiras. Acho que já deveria ter restringido os voos internacionais e já deveria ter restringido a circulação das pessoas, principalmente nos Estados, onde a projeção é de problemas maiores, como no Estado do Rio e no Estado de São Paulo. Mas estas posições são comandadas pelo Poder Executivo”, afirmou Maia.

O presidente da Câmara disse ainda que, não se pode, pela questão econômica, “correr o risco de ter um problema maior na área de saúde pública”. Para ele manter a circulação não trará benefícios a economia.

“A economia vai ser afetada de qualquer jeito. Você achar que manter a circulação para que a economia continue funcionando vai garantir algum crescimento, do meu ponto de vista está errado esse ponto de vista”, disse Rodrigo Maia.

‘Congresso fechado, nunca’

Sobre um eventual fechamento temporário do Congresso, caso haja o avanço de casos de coronavírus no país, Maia respondeu: “Não, nunca. O Congresso brasileiro fechou só na ditadura. Não vai fechar mais.”

Para o presidente da Câmara, no momento em que os problemas começarem a aumentar, “as pessoas naturalmente vão ficar em casa”.
Izael Pereira, de Brasília para o Poder

Foto: Agência Câmara

Últimas Notícias

Lucenildo lidera com triplo de votos em Alvarães, diz Pontual Pesquisas

O Instituto Pontual Pesquisas realizou estudo eleitoral no município de Alvarães (a 530 quilômetros de Manaus) entre os dias...

Mais artigos como este

error: Conteúdo protegido!!