março 5, 2024 07:21

Organizadores ignoram decisão judicial e mantêm carreata, na segunda

spot_img

Mesmo com a liminar que proíbe carreata contra o isolamento em Manaus, grupos pró-discurso do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que pede aos brasileiros que voltem a sua normalidade,apesar dos avanços dos contágios do Coronavírus (Covid-19), afirmaram à reportagem do portal O Poder, neste sábado, 28, que irão manter o ato na segunda-feira, 30, às 10h.

Além de manter a manifestação, o grupo também decidiu finalizar a carreata em frente à sede do Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), na estrada da Ponta Negra, Zona Oeste. O órgão foi o autor do pedido de liminar na Justiça contra a carreata.

Na tarde deste sábado, 28, a Justiça estadual acatou o pedido do Ministério Público do Estado (MP-AM), feito pelo Gabinete de Enfrentamento de Crise COVID-19, que determinou a proibição da realização da “Carreata dos Empresários, Comerciantes, Motoristas de Aplicativos, Profissionais Liberais e todos que precisam que o Brasil volte a funcionar”, marcada para esta segunda-feira.

Na decisão, o juiz plantonista Flávio Henrique Albuquerque de Freitas, cita o isolamento social como uma das medidas tomadas pelas autoridades sanitárias. A decisão é em razão do estado de pandemia vivenciado pelo coronavírus e feito com o objetivo de evitar aglomerações, seguindo-se as regras sanitárias estabelecidas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para a prevenção de proliferação da doença, bem como os preceitos dos atos normativos editados pelo Executivo Estadual.

Um dos organizadores da carreata que aconteceu na sexta-feira, Fred Melo, afirmou que o grupo no qual ele faz parte, que é composto por empresários e comerciantes, confirmaram que seguirão o movimento que pede o retorno das atividades no Amazonas.

Sem consistência

Fred Melo disse que a decisão da Justiça é fraca e inconsistente. “Eles falam em aglomeração de pessoas, não vai haver aglomeração de pessoas, vai ter aglomeração de carros, não é passeata, é carreata. Sem contar que ninguém pode proibir o direito de ir e vir das pessoas”, salientou.

O representante do grupo Direita Norte, Renner Rodrigues, disse que o movimento é dos comerciantes, trabalhadores de aplicativos, profissionais liberais e autônomos que buscam uma saída da crise econômica que estão enfrentando por conta das medidas adotadas pelo governo estadual. “A vontade popular é soberana, o artigo primeiro da Constituição Federal diz isso, todo poder emana do povo!”, ressaltou.

Nos cartazes compartilhados nas redes sociais por apoiadores do movimento, traz a seguinte informação: “Amazonas quer trabalhar”. A carreata está marcada para ocorrer às 10h, com início na Torquato Tapajós e deverá seguir até a frente do MP-AM.

Membros do movimento, que não quiseram se identificar, informaram que o movimento é uma mobilização aleatória e espontânea dos trabalhadores, que não tem um cabeça de organização.

 

Henderson Martins, para O Poder

Foto: Divulgação

Últimas Notícias

Projeto de Caio André que beneficia atletas de jiu-jítsu avança na CMM

O Projeto de Lei nº 145/2023, que busca isentar a taxa de inscrição em eventos esportivos para atletas praticantes...

Mais artigos como este

error: Conteúdo protegido!!