junho 19, 2024 08:30

Titular da Seinfra empenha 14% do orçamento da pasta com três empresas: Etam; CDC e Pontual

spot_img

Com um orçamento autorizado de R$ 401,8 milhões para este ano, cerca de 14,3% do custo da Secretaria de Estado da Infraestrutura (Seinfra) está empenhado para três construtoras, conforme levantamento feito pelo O Poder no Portal da Transparência do governo, referente ao primeiro quadrimestre deste ano.

As empresas são Construtora Etam Ltda., C.D.C. Empreendimentos Ltda. e a Pontual Serviços de Locação e Estrutura Ltda, que juntas, têm empenhados R$ 57,5 milhões do orçamento da Seinfra, autorizados pelo secretário da pasta, o engenheiro Carlos Henrique Lima.

Os valores são para prestação de serviços de recuperação de sistema viários no interior do Estado e na capital, assim como, obras de urbanização em margens de igarapés, duplicação de rodovias, além de custos com pagamento de despesas com exercícios anteriores, conforme informações do Portal da Transparência.

Etam, absoluta

A maior fatia está com a construtora Etam Ltda, que tem recursos empenhados que somam R$ 38,4 milhões. Desse total, a empresa recebeu, de fato, o montante de R$ 19,3 milhões.

De propriedade da família Cameli, do Estado do Acre, composta Gledson de Lima Cameli, Eladio Messias Cameli Junior e Eladio Messias Cameli, A Etam tem capital social de R$ 120 milhões, conforme informações da Receita Federal.

A empresa já foi alvo de denúncias por parte do Ministério Público do Amazonas (MP-AM), em 2019, por suspeita de enriquecimento na gestão da então secretária de Infraestrutura, Waldívia Alencar, na construção do totem em homenagem à Ponte Rio Negro, localizado no bairro Compensa, zona Oeste de Manaus.

A construção foi considerada pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM), como ‘cara’ e ‘sem utilidade’ e resultou na condenação da ex-secretária da Seinfra em 2016.

Em 2017 a empresa já havia sido acusada pelo TCE-AM de superfaturar em R$ 26,9 milhões no contrato com a Seinfra para a construção de um corredor exclusivo na Avenida das Torres. A corte de Contas chegou a suspender o contrato e julgar como superfaturado.

A empresa Etam também foi citada na delação premiada de um ex-executivo da empresa Camargo Corrêa, em pagamentos de propinas para então governadores da época, os senadores Omar Aziz (PSD) e Eduardo Braga (MDB), para que a empreiteira conquistasse a obra da Ponte Rio Negro. Omar e Braga negaram, à época, qualquer recebimento de vantagem indevida. A obra da ponte que deveria custar R$ 575 milhões sofreu reajuste e passou a custar R$ 1,099 bilhão.

As principais fontes de recursos utilizados para o pagamento da Etam foram por meio de recursos do FTI (Fundo de Fomento ao Turismo, Infraestrutura, Serviços e Interiorização do Desenvolvimento do Amazonas), do Prodecap (Programa de Apoio às Despesas de Capital – Governo Federal) e recursos provenientes para urbanização de assentamento precários.

‘Trouxa’, o empresário que age nos bastidores

O segundo maior custo empenhado pela Seinfra é direcionado à empresa C.D.C. Empreendimentos Ltda, que tem capital social de R$ 5 milhões e quadro societário formado por Osimar Maia da Silva, mais conhecido como “Trouxa” no meio político e empresarial e Pablo Henrique Vieira Maia da Silva. A empresa recebeu empenhos do Estado que somaram R$ 9,5 milhões. Desse total, a Seinfra já pagou R$ 3,3 milhões.

Osimar Maia, mais conhecido como “Trouxa”, é o dono da C.D.C, uma das empresas que mais recebe do governo do Amazonas

A C.D.C também faz parte do consórcio Bela Vista com a empresa Pontual, no contrato de R$ 17,9 milhões para conservação e manutenção da Rodovia AM-010. A principal fonte de recursos utilizada para pagar a C.D.C foram de dinheiro do FTI, em sua maioria, os valores são distribuídos para pagamentos de termos aditivos.

No dia 11 de janeiro a empresa recebeu empenho de R$ 1,5 milhão referente ao 4º termo aditivo, referente ao Contrato nº 037/2018, tendo como objetivo serviços de manutenção (conservação/recuperação) em tapa buracos; remendos profundos; reciclagens; recomposição de bordas da plataforma e erosões; recapeamento; drenagem superficial; limpeza e sinalização da estrada de Novo Remanso, no município de Itacoatiara.

Um mês depois, no dia 12 de fevereiro, a empresa recebeu empenho de R$ 1,9 milhão referente ao 5º termo aditivo, referente ao Contrato nº 061/2018, tendo como objeto a Recuperação do sistema viário na sede do município de Itacoatiara.

No dia seguinte, 13 de fevereiro, a empresa recebeu empenho de R$ 1 milhão, referente ao 6º termo aditivo ao contrato nº 043/2018, tendo como objeto a recuperação do sistema viário na sede do município de Novo Airão.

Ainda neste dia, a empresa recebeu empenho de R$ 739 mil referente ao 6° Termo Aditivo do Contrato nº 014/2018, tendo como objeto recuperação do sistema viário na sede do município de Parintins.

Já no dia 10 de março, a construtora do “Trouxa” recebeu pagamento de R$ 65.973,39 referente ao 5° Termo Aditivo ao Contrato nº 009/2019, tendo como objeto serviços de manutenção (conservação/recuperação) na Estrada do Caldeirão AM-452 – 11,7km, no município de Iranduba. A empresa recebeu no mesmo dia um empenho de R$ 311 mil referente ao 6° Termo Aditivo ao Contrato nº 061/2018, tendo como objeto a recuperação do sistema viário na sede do município de Itacoatiara.

Também no dia 10 de março, a empresa recebeu um pagamento de R$ 543 mil referente ao 5° Termo Aditivo ao Contrato nº 037/2018, tendo como objeto  a prestação de serviços de manutenção (conservação/recuperação) em tapa buracos; remendos profundos; reciclagens; recomposição de bordas da plataforma e erosões; recapeamento; drenagem superficial; limpeza e sinalização da estrada de Novo Remanso, em Itacoatiara.

A C.D.C empreendimentos chegou a receber no mesmo dia um pagamento de R$ 424 mil referente ao 7° Termo Aditivo ao Contrato nº 043/2018, tendo como objeto a Recuperação do sistema viário na sede do município de Novo Airão.

Pontual e o Consórcio Bela Vista

O terceiro maior valor fatiado está com a empresa Pontual Serviços de Locação e Estrutura Ltda, que tem capital social de R$ 10,7 milhões e quadro social formado pelos empresários José Maurício Gomes de Lima e João Victor Castro Aguiar Gomes de Lima. A empresa ganhou tem empenhado R$ 9,4 milhões e, desse total, a Seinfra já liquidou e pagou um montante de R$ 7,7 milhões.

Um dos sócios da empresa, José Maurício Gomes de Lima, por exemplo, foi um dos presos na Operação Saúva, deflagrada pela Polícia Federal, em 11 de agosto de 2006, e que desmontou um esquema de fraudes em licitações públicas à época, quando ele dividia sociedade com a empresa Petrolina Distribuidora Ltda.

Entre as obras de competência da Pontual, por meio de contratos celebrados com a Seinfra, está a de serviços de conservação e manutenção da rodovia AM-010, que liga Manaus a Itacoatiara, por meio do Consórcio Bela Vista, composto pela Pontual e a C. D. C Empreendimentos Ltda. O valor total do contrato é de R$ 17.974.505,62, com vigência de 23 de outro de 2019 a 15 de abril de 2021.

A Pontual também foi contratada pela Seinfra para implantação e recuperação de ramais no município de Autazes em um contrato com valor global de R$ 42,9 milhões. As principais fontes de recursos utilizadas pela Seinfra para quitar dívidas com a Pontual foram de cotaparte da Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico, além de recursos do Programa de Sustentabilidade de Investimentos públicos (Prosip) e FTI.

Seinfra se manifesta

A reportagem procurou a Secretaria de Infraestrutura para esclarecer porque mais de 14% de seu orçamento, somente no primeiro quadrimestre deste ano está comprometido com as três empresas, mas, em nota enviada à redação de O Poder, os argumentos técnicos apresentados não foram claros quanto ao questionamento.

O secretário Carlos Henrique, por meio da nota, afirmou que todos os contratos são feitos à luz da Lei de Licitações (Lei nº 8.666/93). “A qual específica os documentos que devem instruí-lo, dentre eles o projeto básico, peça essencial à eficiência da contratação, onde se define e caracteriza o objeto a ser contratado, seu custo, quantitativo de serviços e materiais que serão empregados e prazo de execução, devendo conter, entre outros elementos, o orçamento detalhado do custo global da obra.”

A nota explica que os contratos com as  empresas percorrem três etapas essenciais: execução, medição e, posteriormente, o pagamento.

“Acerca dos pagamentos de contratos da Seinfra, esclarecemos que os mesmos
ocorrem após a conclusão de cada etapa da obra determinado mês a mês, por exemplo, conforme previsão contratual, e após a efetiva medição daquilo que se executou até então, atentando-se à adequação do estágio de evolução da obra às etapas previstas no cronograma”, diz a nota.

Portanto, frisa a nota, o pagamento só é realizado após a aferição, pela fiscalização do Contrato, dos quantitativos efetivamente empregados na obra ou serviço executados naquele período determinado, bem como da sua qualidade e adequação ao cronograma, de modo que, respondendo objetivamente ao questionamento.

A Seinfra reforçou, ainda que, mesmo com este cenário de pandemia, não houve paralisação das obras e o andamento continua dentro do cronograma estabelecido para cada obra. Sustentou ainda que os pagamentos que estão sendo realizados dizem respeito a serviços já realizados, de acordo com as medições, a partir do que nasce a obrigação da sua contraprestação, sob pena de caracterizar enriquecimento ilícito da administração pública, conduta considerada ilegal pelo ordenamento jurídico vigente;

“Os serviços que não venham a ser finalizados na vigência dos respectivos contratos, decerto, não serão pagos. Contudo, a Seinfra tem avaliado o interesse público envolvido em cada contratação, sendo certo que aqueles que necessitarem ser concluídos terão seus prazos de vigência prorrogados, nos termos da lei, a fim de possibilitar a conclusão de cada objeto contratado”, reforça a nota.

 

 

 

Henderson Martins, para O Poder

Foto: Divulgação

Últimas Notícias

Sinal de alerta para manutenção de diferencial competitivo da ZFM

Representantes do setor produtivo com sede na Zona Franca de Manaus (ZFM) demonstraram concordância, durante audiência pública na Câmara...

Mais artigos como este

error: Conteúdo protegido!!