abril 15, 2024 14:58

Orbán propõe mudanças na lei eleitoral da Hungria e é criticado pela oposição

spot_img

O governo da Hungria apresentou esboços de projetos de lei na terça-feira que poderiam forçar partidos de oposição a se unir para disputar uma eleição e reduzem a transparência sobre o dinheiro público, provocando uma refutação generalizada dos opositores.

Viktor Orbán, primeiro-ministro nacionalista criticado com frequência por aliados ocidentais por erodir os padrões democráticos, recebeu poderes especiais do Parlamento na terça-feira para governar por decreto durante 90 dias para combater a pandemia de coronavírus.

Embora os projetos de lei ainda tenham que ser votados pelo Parlamento, partidos de oposição disseram que adotar as mudanças sem fazer alarde enquanto o público está concentrado na pandemia é errado.

Nas novas regras eleitorais propostas, as siglas opositoras teriam que se unir completamente, o que acirraria suas divisões, ou competir umas com as outras, limitando suas chances de derrotar Orbán.

“Viktor Orbán se tornou indigno de seu cargo de uma vez por todas”, disse um comunicado conjunto de seis partidos de oposição. “Exigimos que ele retire estes projetos de lei e passe o resto de seu tempo no cargo sem roubo e manipulação.”

“Isto só serve para mostrar que ele não se sente mais seguro no sistema eleitoral que escreveu para si mesmo, o que é apropriado, porque perderá”, disse o comunicado.

 

Seu partido Fidesz é, de longe, o maior da Hungria, mas meia dúzia de siglas opositoras juntas poderiam destronar Orbán. Conversas sobre tal cooperação nas eleições de 2022 estão em andamento.

Conteúdo e foto: Reuters

 

Últimas Notícias

Wilson Lima amplia para 97 o número de leitos do Hospital da Criança Zona Oeste

O governador Wilson Lima entregou, nesta segunda-feira, 15, 15 novos leitos de internação no Hospital e Pronto-Socorro da Criança...

Mais artigos como este

error: Conteúdo protegido!!