maio 23, 2024 21:21

Capitais dos Estados Unidos em estado de alerta para protestos armados

spot_img

Policiais dos EUA estão se preparando para marchas pró-Trump em todas as 50 capitais estaduais neste fim de semana, erguendo barreiras e convocando a Guarda Nacional para tentar evitar o tipo de ataque violento que abalou o país em 6 de janeiro.

O FBI alertou as agências policiais sobre possíveis protestos armados em todas as 50 capitais estaduais a partir de 16 de janeiro até a posse do presidente eleito Joe Biden em 20 de janeiro, alimentados por apoiadores do presidente Donald Trump que acreditam em suas falsas alegações de fraude eleitoral.

Michigan, Virgínia, Wisconsin, Pensilvânia e Washington estão entre os estados que ativaram sua Guarda Nacional para fortalecer a segurança, enquanto o Texas decidiu fechar seu Capitólio de sábado até o dia da posse.

Steve McCraw, diretor do Departamento de Segurança Pública do Texas, disse em um comunicado na sexta-feira que a inteligência indicou que “extremistas violentos” podem tentar explorar os planejados protestos armados em Austin para “conduzir atos criminosos”.

A confusão segue o ataque mortal de 6 de janeiro ao Capitólio dos EUA em Washington por uma mistura de extremistas e apoiadores de Trump. Os policiais treinaram muito de seu foco no domingo, quando o movimento anti-governo “boogaloo” sinalizou planos para realizar manifestações em todos os 50 estados.

Em Michigan, uma cerca foi erguida ao redor do prédio do Capitólio em Lansing e soldados foram mobilizados de todo o estado para reforçar a segurança. A legislatura, no entanto, cancelou reuniões na próxima semana, citando preocupação com ameaças credíveis.

“Estamos preparados para o pior, mas continuamos esperançosos de que aqueles que escolherem se manifestar em nosso Capitólio o façam pacificamente”, disse o diretor da Polícia do Estado de Michigan, Joe Gasper, em entrevista coletiva na sexta-feira.

A percepção de que a insurreição de 6 de janeiro foi um sucesso pode encorajar extremistas domésticos motivados por queixas anti-governamentais, raciais e partidárias, levando-os a mais violência, de acordo com um boletim de inteligência do governo datado de quarta-feira que foi relatado pela primeira vez pelo Yahoo News.

O Boletim Conjunto de Inteligência, produzido pelo FBI, Departamento de Segurança Interna e Centro Nacional de Contraterrorismo, alertou ainda que “narrativas falsas” sobre fraude eleitoral serviriam como um catalisador contínuo para grupos extremistas.

Milhares de soldados armados da Guarda Nacional estão agora nas ruas de Washington em uma demonstração de força sem precedentes no Capitólio dos Estados Unidos. O National Mall e os marcos icônicos dos EUA estarão fechados para visitantes na próxima semana.

Especialistas dizem que as capitais de estados de batalha como Wisconsin, Michigan, Pensilvânia e Arizona estão entre as que correm maior risco de violência. Mas mesmo os estados não vistos como prováveis ​​pontos de inflamação estão tomando precauções.

O governador de Illinois, JB Pritzker, disse na sexta-feira que, embora seu estado não tenha recebido nenhuma ameaça específica, ele estava reforçando a segurança em torno do Capitólio em Springfield, incluindo o acréscimo de cerca de 250 soldados estaduais da Guarda Nacional.

Suzanne Spaulding, ex-subsecretária do Departamento de Segurança Interna, disse que a divulgação de tais medidas de segurança pode atuar como um impedimento eficaz.

“Uma das maneiras de reduzir potencialmente um problema é com uma postura de segurança forte”, disse Spaulding, agora um consultor sênior do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais. “Você tenta impedir as pessoas de tentarem qualquer coisa.”

Algumas milícias e outros grupos disseram aos seguidores para ficarem em casa, citando o aumento da segurança ou o risco de que os eventos planejados fossem armadilhas da lei.

Mesmo assim, Michael Hayden, do Southern Poverty Law Center, disse que há muito tempo não se preocupava com o potencial de violência. Entre outros fatores, ele disse que a percepção de censura de vozes conservadoras por empresas de tecnologia como o Twitter serviu para fundir extremistas de direita e republicanos comuns em uma causa comum.

“Isso forneceu uma espécie de queixa unificadora entre grupos que não tinham conexão entre si antes”, disse Hayden.

Da Redação O Poder 

Fonte e Foto: Reuters 

Últimas Notícias

‘O problema é o miolo’, diz Marina sobre BR -319

A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, quer estender o modelo de licenciamento ambiental da exploração de petróleo na...

Mais artigos como este

error: Conteúdo protegido!!