junho 17, 2024 12:24

Em carta, Milei avisa que Argentina não fará parte dos Brics

spot_img

A Argentina não fará mais parte dos Brics. O presidente Javier Milei, que assumiu no dia 10 de dezembro, enviou carta aos demais países do grupo comunicando oficialmente a desistência.

A CNN teve acesso ao ofício encaminhado por Milei para Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Os cinco membros haviam decidido, na última cúpula do bloco em agosto, expandir os Brics. Outros cinco países foram incluídos: Argentina, Árabia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Egito e Irã.

Na carta, Milei explica que as diretrizes da política externa diferem “em muitos aspectos” daquelas estabelecidas pelo governo do ex-presidente peronista Alberto Fernández.

“Nesse sentido, algumas decisões tomadas pela gestão anterior serão revisadas. Entre elas encontra-se a criação de uma unidade especializada para a participação ativa do país nos Brics”, afirma Milei.

“Sobre esse ponto, gostaria de informar que não se considera oportuna a incorporação da Argentina como membro pleno a partir de 1º de janeiro de 2024”, continua a carta, que foi enviada nominalmente a cada um dos líderes dos cinco países.

“Sem prejuízo disso, devo destacar o compromisso do meu governo com a intensificação dos laços bilaterais com seu país, em particular com o aumento dos fluxos de comércio e de investimentos”.

Na campanha presidencial, Milei e sua equipe já haviam manifestado a intenção de não dar continuidade à entrada da Argentina no grupo. Depois de sua posse, porém, ele não havia mais mencionado o tema.

Em paralelo, o novo presidente já havia mandado ofício à Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE) com o compromisso de acelerar os processos necessários para incluir a Argentina no grupo.

A OCDE reúne as economias mais avançadas do planeta, sob a liderança dos Estados Unidos e da Europa, e decidiu aceitar as candidaturas de seis países no ano passado: Argentina, Brasil, Peru, Bulgária, Croácia e Romênia.

O processo de adesão plena costuma levar de quatro a seis anos. Depende muito do ritmo de incorporação de acordos, convênios e regras exigidas pela OCDE nas legislações de cada país.

Henrique Souza, com informações de CNN
Imagem: divulgação

Últimas Notícias

Ação Social da gestão de Patrícia Lopes impulsiona reeleição em Presidente Figueiredo

A prefeita de Presidente Figueiredo (a 119 quilômetros de Manaus), Patrícia Lopes (MDB), está investindo na realização de ações...

Mais artigos como este

error: Conteúdo protegido!!