fevereiro 26, 2024 03:35

Governistas pressionam e conseguem adiar a comissão especial do impeachment na Aleam

spot_img

A instalação da Comissão Especial na Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas (Aleam), que vai analisar o processo de impeachment do governador Wilson Lima (PSC) e de seu vice, Carlos Almeida Filho (PTB), foi adiada para análise dos argumentos políticos e jurídicos dos deputados que compõem a base aliada do governo na casa.

A informação é da presidência da Assembleia que, em nota veiculada no início da noite desta terça-feira, 12, comunicou a decisão, após uma tentativa frustrada do presidente da casa, deputado Josué Neto (PRTB), em instalar o colegiado.

“O presidente da Aleam, deputado Josué Neto, solicitou nesta terça-feira que cada parlamentar encaminhe para análise da mesa diretora e da Procuradoria da casa todos os questionamentos e opiniões a respeito do processo, a fim de assegurar a manifestação de todos”, diz a nota.

Neto até conseguiu oficializar a leitura, em plenário, das denúncias que pesam sobre Wilson e Carlos e que sustentam o pedido de impeachment dos dois apresentado pelo Sindicato do Médicos, mas, ao final, foi vencido pela gritaria dos governistas que defendiam a não participação dele no processo de impeachment, uma vez que o deputado é parte diretamente interessada neste afastamento.

O argumento jurídico para impedir a presença de Josué no processo de impeachment foi do deputado Saullo Vianna (PTB), que apresentou requerimento, embasado em um parecer a uma consulta feita ao ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal (STF), Ilmar Galvão, em que pede a suspeição do parlamentar. (Leia o documento no final da matéria)

Diante da polêmica, Neto tentou encontrar alternativas no regimento interno para barrar o requerimento que lhe tirava os poderes na conduzir o processo de impeachment, mas, no final, não resistiu à pressão e resolveu terminar a sessão, sem ao menos apreciar os méritos da denúncia.

Ainda durante a sessão, a vice-presidente da casa, deputada Alessandra Campêlo (MDB), chegou a mencionar que iria levar à Justiça Estadual, caso Josué não colocasse o requerimento de Saullo em apreciação do plenário.

“Existe aqui uma divergência, onde a vossa excelência não considera impedido de conduzir o processo, mas, nós acreditamos que existe o impedimento. A questão tem que ser respondida pelo plenário, se o senhor tem legitimidade ou não. Se for o caso, iremos judicializar, pois, quero que seja votado o meu questionamento, sobre a existência ou não do impedimento da vossa excelência”, ressaltou a deputada.

‘Que ele dispute a eleição e vença nas urnas’

Saullo criticou a postura de Josué por não ter colocado o documento à votação em plenário e afirmou que “o problema agora está instalado, e essa situação precisa ser resolvida”. “O presidente não é o dono da Assembleia, ele é deputado igual a todos nós. Ele não deu a pauta como lida, não encerrou o grande expediente, apenas encerrou tudo”, disse o parlamentar.

Assim como Alessandra, Vianna não descarta a possibilidade de judicializar a questão e ressaltou que não existe o crime de responsabilidade contra o governador e o vice, como defendem as denúncias contra os gestores. Na sua opinião, tudo não passa de um processo político. “Reconheço a vontade do deputado Josué de querer ser governador, mas, que ele dispute a eleição e vença nas urnas”, finalizou o deputado.

Procurado pela reportagem, o deputado Josué Neto não quis se manifestar.

Leia o documento aqui 

 

 

Henderson Martins, para O Poder

Foto: Reprodução

Últimas Notícias

“Devemos passar uma borracha no passado” diz Bolsonaro em ato.

Lideranças da direita brasileira e os apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro, que é investigado por tentativa de golpe entre...

Mais artigos como este

error: Conteúdo protegido!!