maio 19, 2024 20:12

Primeiro presidente réu nos EUA, Trump se declara inocente de acusações

spot_img

Donald Trump está em audiência judicial no tribunal no centro de Manhattan, em Nova York, onde se apresentou à Justiça dos Estados Unidos. De acordo com o que fontes do governo de Nova York disseram à CNN, ele se declarou inocente de todas as 34 acusações.

O ex-presidente chegou ao escritório do procurador distrital, onde ficou sob custódia policial antes da acusação formal, por volta de 14h25 (horário de Brasília) desta terça-feira, 4.

Ele está ouvindo quais são as acusações contra ele, sendo oficialmente acusado — mas deve se declarar inocente. Detalhes sobre as mais de 30 acusações que ele enfrenta serão revelados quando a acusação do grande júri for aberta.

Trump se torna, oficialmente, o primeiro ex-presidente dos Estados Unidos a enfrentar acusações criminais formais. Espera-se que as impressões digitais de Trump tenham sido tiradas, embora ainda não esteja claro se sua foto foi registrada.

A audiência deve ser rápida e rotineira, mas representa um momento histórico para o país. A previsão de duração é de uma hora e quinze minutos.

Assessores do ex-presidente disseram à CNN que ele poderia fazer uma “breve” declaração antes de entrar no prédio – deixando o restante de seus comentários para um discurso à noite, quando retornar à Flórida. Entretanto, ele não falou e foi para a corte em silêncio.

O empresário postou no Truth Social enquanto estava a caminho do escritório do promotor distrital de Manhattan, escrevendo: “Indo para Lower Manhattan, o Tribunal. Parece tão SURREAL — UAU, vão ME PRENDER. Não posso acreditar que isso está acontecendo na América. MAGA” [Make America Great Again – Torne a América Grande Novamente, em tradução livre]”.

O escritório do promotor distrital local está investigando o ex-presidente sobre um suposto esquema de pagamento de suborno e encobrimento envolvendo a estrela de cinema adulto Stormy Daniels durante a campanha eleitoral à Presidência dos EUA de 2016.

À frente do julgamento estará o juiz interino da Suprema Corte de Nova York, Juan Merchan, que já sentenciou o confidente de Trump, Allen Weisselberg, à prisão, presidiu o julgamento de fraude fiscal das Organizações Trump e supervisionou o caso de fraude criminal do ex-conselheiro Steve Bannon.

Trump passou a manhã ao telefone com aliados republicanos, seu círculo restrito de conselheiros políticos e sua equipe jurídica, com foco cada vez maior nas acusações específicas contidas no indiciamento selado. Ele não pode avaliar completamente o caminho político ou legal a seguir até que entenda exatamente o que, especificamente, está na acusação.

Segundo a Casa Branca, o presidente Joe Biden irá, “obviamente”, se inteirar das notícias sobre o caso, mas enfatizaram que este não será o foco do atual mandatário.

“Olha, o presidente vai se concentrar no povo americano como faz todos os dias. Isso não é algo que seja um foco para ele. Ele vai se concentrar em coisas como garantir que continuemos a baixar os preços para o povo americano”, pontuou a secretária de imprensa da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, em resposta a uma pergunta de MJ Lee, da CNN. 

Como será o dia de Trump?

Apesar de muitos dos detalhes sobre como será o dia de Trump como primeiro presidente na história dos EUA a enfrentar acusações criminais, aqui está o que sabemos até agora.

  • Ida ao tribunal: O Serviço Secreto tem previsão de acompanhar Trump até o escritório do promotor distrital local de Manhattan, que é no mesmo edifício do tribunal em que a audiência acontecerá.
  • Registros: Os investigadores vão fichar Trump, o que inclui colher suas digitais. Normalmente, seria tirada uma foto – a conhecida “mug shot” – mas fontes disseram à CNN que não está certo que isso acontecerá com o ex-presidente.
  • A audiência: Após ser fichado, Trump passará por uma série de corredores e elevadores até o andar do tribunal. Ele então passará pelo corredor do tribunal. Não há expectativa de que ele estará algemado.
  • A acusação formal: Trump se apresentará à Justiça dos EUA, onde as acusações formais contra ele serão reveladas e ele as responderá. Após as acusações, Trump quase certamente sairá de lá sem pagamento de fiança [“own recognizance”, quando o réu é solto com a promessa de comparecer ao tribunal novamente quando solicitado a fazê-lo]. É possível, porém improvável, que sejam impostas condições para viagens de Trump.
  • Saída do tribunal: Ao final da audiência, Trump deve caminhar novamente pelos corredores do tribunal até o escritório do promotor distrital, onde seu comboio estará o esperando.
  • De volta a Mar-a-Lago: Trump então irá para o aeroporto e voará para a Flórida, onde retornará a Mar-a-Lago. A expectativa é de que ele fará um discurso público à noite sobre as acusações que enfrenta.

Transmissão ao vivo não foi autorizada

Os meios de comunicação não terão permissão para transmitir as acusações formais contra o ex-presidente, mas um juiz permitiu que alguns fotógrafos tirem fotos no tribunal antes do início formal do processo.

O juiz Juan Merchan rejeitou o pedido de várias organizações de mídia, incluindo a CNN, para transmitir os procedimentos históricos.

A acusação formal de Trump – como a maioria das acusações no tribunal de Manhattan – é um processo público, mas as emissoras geralmente não têm permissão para transmitir de dentro do tribunal.

No entanto, o juiz permitiu que cinco fotógrafos tirem fotos no início do processo “até o momento em que forem instruídos a desocupar o banco do júri pelos funcionários do tribunal”.

O cinegrafista de Donald Trump viajou com ele da Flórida a Nova York para documentar os bastidores do ex-presidente aparecendo diante do tribunal, de acordo com duas fontes familiarizadas com os planos, indicando ainda que a equipe de Trump planeja usar isso para sua vantagem política.

Espera-se que o cinegrafista o siga até o tribunal, mas não está claro o que ele poderá filmar, dadas as restrições do tribunal.

Equipe de Trump prevê estratégia agressiva

Nesta segunda, a equipe jurídica de Trump deu uma prévia de uma defesa robusta que se desenrolará em um cenário de campanha política furiosa. Seus principais partidários estão tentando usar o poder da nova maioria do Partido Republicano para tentar interferir na acusação.

Em entrevista ao programa “State of the Union” da CNN, o advogado de Trump, Joe Tacopina, disse que a equipe do ex-presidente declararia em alto e bom som que ele não é culpado e sinalizou uma tentativa de tentar impedir que o caso chegasse a julgamento.

Enquanto os críticos de Trump celebraram a acusação como um sinal de que ninguém está acima da lei, Tacopina argumentou que o ex-presidente estava recebendo um tratamento pior do que um cidadão comum por causa de sua fama e aspirações políticas.

Em entrevista à ABC nesta terça-feira, 4, Tacopina afirmou: “Uma coisa que posso garantir é que não haverá confissão de culpa neste caso”.

“Eu não acho que este caso vai ver um júri. Acho que vai desaparecer nos papéis [ser resolvido em acordo]”, acrescentou.

Em termos de outras limitações impostas a Trump, Tacopina disse: “Não há indicação de que haverá uma ordem de silêncio [“gag order”, em inglês. Determinação do juiz restringindo comentários públicos sobre o caso]. Isso não pode acontecer neste caso.”

 

Da Redação com informações da CNN Brasil

Ilustração: Neto Ribeiro/Portal O Poder

Últimas Notícias

Lucenildo lidera com triplo de votos em Alvarães, diz Pontual Pesquisas

O Instituto Pontual Pesquisas realizou estudo eleitoral no município de Alvarães (a 530 quilômetros de Manaus) entre os dias...

Mais artigos como este

error: Conteúdo protegido!!