abril 18, 2024 23:36

Ao lado de Wilson Lima, vice-presidente Geraldo Alckmin volta a defender BR 319 e potássio

spot_img

Presidente em exercício, o vice-presidente Geraldo Alckmin (PSB) voltou a defender o empreendimento que pretende explorar potássio em uma região preservada da Amazônia e indicou apoio à pavimentação da BR-319, rodovia que liga Manaus a Porto Velho.

As posições de Alckmin, que também é ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio, foram expressas em Manaus, nesta sexta-feira, 1º, após participar de reunião do conselho de administração da Suframa (Superintendência da Zona Franca de Manaus).

Os dois empreendimentos –um privado, para exploração de potássio, e outro público, de pavimentação de uma rodovia– são sensíveis para a região amazônica e contam com objeções dentro do próprio governo Lula (PT).

Tanto o potássio quanto a rodovia contam com forte lobby de empresários e de políticos do Amazonas. O governador do estado, Wilson Lima (União Brasil), acompanhou o vice-presidente na agenda na Suframa e defendeu os dois projetos.

“Sobre o potássio, acredito, sim, que a gente possa ter um bom avanço”, disse Alckmin. “Potássio é mina, eu não escolho, é natureza. É fundamental para a produção de alimentos. Existe tecnologia para que isso seja feito com sustentabilidade. Estou confiante que teremos uma boa solução, que vai gerar riqueza e trazer segurança alimentar.”

O potássio é base para fertilizantes utilizados na agricultura em larga escala. A Potássio do Brasil, subsidiária do banco canadense Forbes & Manhattan, tenta explorar minas na região de Autazes (AM), em área reivindicada pelo povo mura.

Sobre a BR-319, Alckmin afirmou que um grupo de trabalho foi criado pelo Ministério dos Transportes, numa tentativa de conciliar pavimentação e sustentabilidade, segundo o presidente em exercício.

Ele fez uma comparação com rodovias em São Paulo que cortam pedaços de mata atlântica, e disse que o bioma é um dos mais preservados do país. A mata atlântica está entre os biomas mais desmatados no Brasil.

“Não sou especialista na área, mas se pegar a mata atlântica, em São Paulo, é das mais preservadas do país, e tem rodovia ligando Taubaté a Ubatuba, São José dos Campos até o litoral. Tem rodovia, e é impressionante a preservação do bioma, da mata atlântica”, disse Alckmin, que afirmou existir tecnologia para os “cuidados ambientais”.

Documentos da licença da pavimentação da BR-319 no Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) mostram risco de mais desmate e grilagem com a obra.

A expectativa pela restauração do trecho do meio, com 405 km, já alimenta desmatamento no curso da rodovia, segundo especialistas que monitoram a região, uma das mais preservadas da amazônia.

Uma vistoria feita pelo Ibama constatou o avanço de devastação, queimadas e ocupação de terras públicas ao longo da BR-319, com o arco de desmatamento rumo às porções central e norte do Amazonas, duas das mais preservadas da amazônia.

O desmatamento tem ritmo crescente antes mesmo de obras de restauração da rodovia, que liga Manaus a Porto Velho.

A vistoria ao longo dos 877 km da rodovia foi feita entre 18 e 23 de setembro de 2023. O relatório foi concluído em 31 de outubro.

O documento aponta a existência de 225 áreas degradadas na BR-319. Essas áreas precisam ser recuperadas com urgência e parte delas oferece riscos à própria plataforma da rodovia, segundo o Ibama.

A seca histórica na amazônia em 2023 fez aumentar o lobby político pela BR-319. Foi nesse contexto que o governoLula criou um grupo para tentar acelerar o processo de licenciamento.

O vice-presidente prometeu antecipação da dragagem em rios da região, procedimento adotado durante a seca em 2023 como forma de facilitar a navegação.

No caso da exploração de potássio, decisão da Justiça Federal obrigava a interrupção do licenciamento pelo órgão ambiental vinculado ao governo do Amazonas. O Ibama, porém, rejeitou por diversas vezes ter competência para o licenciamento. Na segunda instância, a Justiça derrubou a decisão.

O presidente da Potássio do Brasil, Adriano Espeschit, prometeu a indígenas muras a compra e entrega de 5.000 hectares de terras em caso de posição favorável em assembleia ao empreendimento de exploração de potássio na região, entre os rios Madeira e Amazonas.

A oferta foi seguida de falas de Espeschit contrárias à demarcação do território, apesar do início de procedimentos formais para a delimitação por parte da Funai (Fundação Nacional dos Povos Indígenas), que constituiu um grupo técnico em agosto.

O presidente da Potássio do Brasil disse ainda aos muras, na conversa gravada, que o território só poderia virar terra indígena ao fim da retirada do minério, num prazo de 23 a 34 anos. Em nota, a empresa afirma que os benefícios aos muras são públicos.

 

Da Redação com informações da Folha de São Paulo 

Foto: Divulgação

Últimas Notícias

Wilson Lima e Omar Aziz prestigiam abertura de conferência de Ciência, Tecnologia e Inovação

A abertura da etapa Norte da 5ª Conferência Regional de Ciência, Tecnologia e Inovação, organizada pelo ministério da área,...

Mais artigos como este

error: Conteúdo protegido!!