julho 15, 2024 19:19

Covid-19: Corecon defende a liberação de seguro-desemprego para conter crise na economia

spot_img

Para conter o impacto negativo do efeito coronavírus na economia regional, o presidente do Conselho Regional de Economia do Amazonas (Corecon-AM), Francisco Mourão Júnior, defende a liberação do seguro-desemprego para trabalhadores da iniciativa privada que ficarão em casa nos próximos meses.

Em entrevista ao O Poder, o economista sugeriu que o governo do Amazonas se posicione e tome medidas mais efetivas para minimizar os efeitos da crise nos setores mais afetados: comércio, indústria, serviços e turismo e evitar um caos econômico pós-coronavírus na região. Em sua avaliação, os impactos serão danosos à economia nos próximos meses.

Presidente do Corecon defende medidas urgentes para minimizar os efeitos negativos na economia

“Uma das medidas que ele (Wilson Lima) pode tomar de imediato é a liberação de capital de giro pela Afeam com juros bem reduzidos para que esses empresários possam adquirir esse pacote e tentar suportar esses efeitos da crise”, sugeriu.

Uma das medidas urgentes, segundo o especialista, seria o governador Wilson Lima solicitar ao governo federal a liberação do seguro-desemprego para as pessoas que tem vínculo empregatício e que irão ficar em casa.

“Vimos aí as empresas dando férias coletivas de 30 dias, mas e quando acabar esses 30 dias? As empresas vão conseguir pagar esses funcionários se a crise não estiver acabado? Como vai ser para esses funcionários se manterem? O governador deve pleitear ao presidente essa liberação”, defendeu.

Bolsa-Família estadual

Uma outra medida seria a criação de uma Bolsa-Família estadual para trabalhadores com salários mais baixos que já estão sendo afetados pela crise. “Essa é uma medida de extrema necessidade porque vai ter inúmeros desempregados e nesse momento o Estado vai ter que se endividar. Em momento de crise, o Estado tem que se endividar, ele tem que intervir na economia para que essas pessoas possam ter renda e, ao mesmo tempo, poder usufruir, consumir e se manterem. Esse consumo vai manter a economia ou evitar que a economia entre em uma recessão severa”, observou.

Na segunda-feira, 23, o governador do Amazonas, Wilson Lima, decretou estado de calamidade pública por conta do Covid-19 e anunciou algumas medidas para enfrentamento da crise econômica. Entre as medidas está a liberação de R$ 40 milhões para micro e pequenas empresa por meio da Agência de Fomento do Estado do Amazonas. Além disso, o governador informou que o governo federal liberou R$ 88 bilhões para os Estados e Municípios.

Após o decreto, o governador determinou que os comércios, restaurantes, bares, além de locais de recreação, lazer e igrejas e templos evangélicos fossem fechados. O que gera medo nos empresários e funcionários.

A reportagem entrou em contato com a Secretaria de Comunicação do Governo do Amazonas (Secom) para repercutir as medidas sugeridas pelo economista e presidente do Corecon e questionar se o Estado avalia solicitar o seguro-desemprego como uma das medidas emergências, mas até a publicação da matéria não obteve respostas.

 

Álik Menezes, para O Poder

Fotos: Divulgação

Últimas Notícias

Venda para irmãos Batista é única alternativa do governo receber R$ 10 bi da Amazonas Energia

O ministro de Minas e Energia (MME), Alexandre Silveira, negou que a medida provisória (MP) 1.232 de 2024, publicada...

Mais artigos como este

error: Conteúdo protegido!!