março 2, 2024 21:42

PA: Lula tenta salvar COP 30 em Belém

spot_img

O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deve usar Itaipu Binacional, estatal que controla a usina hidrelétrica no Paraná na divisa com o Paraguai, para investir no Pará e auxiliar nas obras para a COP30, a Conferência do Clima da ONU (Organização das Nações Unidas). O evento será em Belém (PA), em 2025.

Segundo foi apurado, os paraenses esperam ao menos R$ 1 bilhão da empresa, que se somaria aos R$ 3 bilhões já anunciados pelo BNDES (Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social).

O plano do Planalto depende das negociações em curso do governo Lula com o Paraguai sobre o valor da tarifa que o Brasil deve pagar pela energia. A indefinição trava o orçamento da estatal. Caso o impasse se estenda, o Planalto terá que achar outra opção para financiar Belém.

A usina de Itaipu é administrada pela estatal Itaipu Binacional, que informou em nota que “no momento existem pautas mais importantes a serem debatidas com o Paraguai” e que caso vá colaborar com a COP30, “mais informações serão repassadas no devido momento“.

O governo mantém posição cautelosa sobre o tema. A ideia é que o patrocínio de Itaipu em Belém está certo, mas que o valor ainda está em aberto.

Pode até ser maior que R$ 1 bilhão, mas as conversas só devem se concretizar depois de resolução com os paraguaios para não atrapalhar as negociações com o país vizinho.

O Planalto, por exemplo, nega que haja discussão de usar a usina paranaense para aportar na COP30. Nos bastidores, entretanto, só o valor segue indefinido. Houve uma reunião de ministros na Casa Civil ainda em janeiro para tratar do assunto, quando as negociações avançaram, mas sem uma conclusão. Ainda há uma nova reunião marcada.

 O FATOR JANJA

Desde que foi confirmada como sede do evento internacional, Belém e o Estado do Pará procuram fontes de recursos para financiar as obras necessárias na cidade.

O governo federal terá pouca participação direta com recursos, sendo responsável apenas pela obra de dragagem do rio que banha o município.

Isso permitirá que navios maiores possam ser usados durante o evento como hospedagem, já que a capacidade hoteleira de Belém é muito mais baixa que a necessária para a COP.

Nessa busca, a primeira-dama, Janja da Silva, teria sido determinante para apontar Itaipu, onde ela já trabalhou, como uma opção viável se obter os recursos necessários.

Itaipu fica a mais de 2.800 km da capital do Pará. Belém não entra na área de influência direta da usina, ampliada em 2023 para todo o Estado do Paraná e o sul do Mato Grosso do Sul.

No caso da COP30, seria usado o mecanismo de indenização ambiental, uma compensação econômica por danos irreversíveis que pode ser destinada a outros biomas por mais distante que estejam.

Desde que voltou ao poder, em 2023, Lula tem recorrido à Itaipu como opção de investimentos e outras questões. A estatal já cedeu carrinho de golfe para o Alvorada e destinou R$ 1 bilhão para cidades do Paraná depois de ampliar sua área de atuação, por exemplo.

Em abril de 2023, o diretor-geral da estatal, Ênio Verri, afirmou que a empresa estaria a “serviço do desenvolvimento”.

No caso da COP30, Itaipu deve ser usada como válvula de escape do governo para a limitação de investimentos do Orçamento federal.

Da Redação, com informações o Poder 360

Foto: Divulgação

Últimas Notícias

CNMP regulamenta aumento de auxílio-moradia de até R$ 10 mil para procuradores

De acordo com uma reportagem do Estadão, uma resolução do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) regulamentou o aumento...

Mais artigos como este

error: Conteúdo protegido!!