abril 18, 2024 22:02

O poder do voto evangélico nas eleições municipais

spot_img

No jogo de estratégia para angariar bons resultados nas eleições, os votos dos evangélicos são uma das parcelas mais importante do pleito. Isso porquê a influencia dos líderes evangélicos ou católicos com o ‘bairrismo’ de se ter um candidato da igreja a qual o eleitor pertencem acabam sendo um critério importante na hora do eleitor escolher o seu candidato. 

O parâmetro não é novidade e já existe há muito tempo, uma vez que as igrejas evangélicas e, consequentemente, o número de fiéis aumentaram consideravelmente. De acordo com dados do Centro de Estudos da Metrópoles (CEM/Cepid) da Universidade de São Paulo (USP), em 1990, o Brasil tinha 17.033, e em 2019, esse número aumentou em 543%, ou seja, para 109.560. O crescimento evangélico pode ser determinado por vários fatores como mudança de legislação para abertura de templos, crescimento econômico e o próprio papel do templo na atração e fidelização de fiéis, além da própria dinâmica das igrejas evangélicas. 

Com isso, a cada ano, políticos tendem a fortalecer a sua imagem perante às igrejas para fidelizar votos, baseados nas crenças e estilo dos fiéis. E, por muitas vezes, essa estratégia funciona, formando as bancadas evangélicas nas Casas Legislativas ou tendo Chefes do Executivo que acentuam o fato de ser crente nas suas atividades diárias.  

Bancada evangélica municipal

Em Manaus, os votos dos fiéis ainda são considerados importantes pelos políticos. Um bom exemplo, é que o candidato mais votado para a Câmara Municipal de Manaus (CMM) nas Eleições de 2020 é um pastor da igreja universal. O vereador João Carlos teve 13.880 votos. Nas eleições de 2022, o parlamentar teve um desempenho bom, conquistando 44.085 votos, mas não conseguiu a cadeira na Câmara dos Deputados. Outro pastor da universal é o vereador Márcio Tavares. 

Ambos fazem parte do partido Republicanos que a nível estadual é dirigido pelo Silas Câmara, que, por sua vez, tem grande poder de influência na igreja Assembleia de Deus e se consagrou como um político evangélico. Falando na IEADAM, os pastores Mitoso (MDB) e Roberto Sabino (Podemos), além de Joelson Silva (sem partido), são os representantes da igreja na Casa Legislativa municipal. 

Já a 1ª vice-presidente da CMM, Yomara Lins (PRTB), também é pastora, mas não identificou em suas redes sociais de qual igreja. Eduardo Alfaia (PMN) é pastor da Assembleia de Deus – Ministério Madureira. O vereador Marcel Alexandre (Avante) é apóstolo na Ministério Internacional  da Restauração (MIR). 

Do partido Democracia Cristã, Wallace Oliveira é membro da Igreja de Deus Pentecostal do Brasil (IDPB) e Raiff Matos é da Nova Igreja Batista (NIB). 

Os vereadores Jaildo Oliveira (PCdoB) e Professor Samuel (PL) congregam na igreja Adventista. Já Dr. Daniel Vasconcelos (Podemos) é cristão católico.

Além desses, Rosinaldo Bual (PMN), Ivo Neto (PMB), Fransuá (PV), Dione Carvalho (sem partido), Capitão Carpê Andrade (Republicanos) e Bessa (SD) se identificam como cristãos nas biografias de seus perfis nas redes sociais mas não entram em detalhes em quais igrejas congregam ou se tem funções importantes nelas. 

O Portal O Poder apurou que dos 41 vereadores da CMM, 19 identificam-se abertamente como cristãos e mais da metade exerce alguma função de influência na igreja. O que comprova o grande poder de voto dos cristãos para colocar representantes de suas igrejas no plenário. 

 

Priscila Rosas, para Portal O Poder

Foto: Divulgação

 

Últimas Notícias

Wilson Lima e Omar Aziz prestigiam abertura de conferência de Ciência, Tecnologia e Inovação

A abertura da etapa Norte da 5ª Conferência Regional de Ciência, Tecnologia e Inovação, organizada pelo ministério da área,...

Mais artigos como este

error: Conteúdo protegido!!